Pescar é enfrentar saudáveis desafios, é fazer amizades, é conhecer novos lugares e abrir novos horizontes. É conviver com a natureza. É ser companheiro.

sábado, 6 de março de 2021

Perguntas frequentes (pesca lúdica - legislação)

Aqui encontra a resposta às perguntas mais frequentes que os pescadores lúdicos têm apresentado à Direcção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM). Clique aqui ou na imagem abaixo sff.




quinta-feira, 4 de março de 2021

Mapa de actividade para este mês de Março de 2021

 Tudo o que precisa de saber sobre a actividade dos peixes, 

o tempo e previsões, marés e ainda mais  !!!

Março de 2021

Clique na imagem sff



quarta-feira, 3 de março de 2021

Iscos e Iscadas

A utilização de iscas naturais ainda é das melhores opções, apesar do preço cada vez mais alto, já que a maioria dos pescadores não se dá ao trabalho de apanhar o isco

Quando chegar ao pesqueiro, tente saber qual o isco que está a ser usado pelos pescadores que já lá se encontrem – esta é um boa forma de acertar com o isco. 

Tenha sempre o isco bem acondicionado para que se mantenha em boas condições. 

Mantenha as mãos limpas - o cheiro de óleos, bronzeadores, gasolina ou gasóleo e até do tabaco afugenta o peixe, afastando-o do isco, estragando assim a pescaria. 

Lembre-se que o tamanho do isco dever ser proporcional ao tamanho do anzol.

domingo, 7 de fevereiro de 2021

SAIBA TUDO PARA ESTE MÊS DE FEVEREIRO

HORÓSCOPO DO PESCADOR

Fevereiro de 2021

Veja o que lhe reservam as pescarias e não só - clique no seu signo 

Clique aqui para peixes! Clique aqui para carneiro! Clique aqui para touro! Clique aqui para gémeos! Clique aqui para caranguejo! Clique aqui para leão! Clique aqui para virgem! Clique aqui para balança! Clique aqui para escorpião! Clique aqui para sagitário! Clique aqui para capricórnio! Clique aqui para aquário!

sábado, 30 de janeiro de 2021

CARTA DE UM PESCADOR À FAMÍLIA

 


CARTA DE UM PESCADOR À FAMÍLIA

“Vou novamente à Pesca  e vejo nos teus olhos a reprovação silenciosa de te deixar sozinha… Não me julgues, não é que eu não queira estar contigo, mas preciso de estar comigo mesmo e bem sei que, por mais que insistas em tentar compreender a paixão que tenho pela Pesca, jamais irás conseguir.

É que sinto na alma esse amor pelos espaços abertos, pelo e pela aventura. Preciso de um lugar arejado, com água e vento. Quero sujar-me, não quero preocupar-me com o meu aspeto, quero sentir o cansaço, que o sol queime a minha cara, e que o frio  a congele. Quero ver e ouvir o  mar, sentir a maresia na cara, ouvir os gritos das gaivotas e sentir a água a bater-me nas botas, as melodias orquestradas pelos vários animais ....… quero sentir a tua falta ‍e imaginar-te à minha espera !

Minto-te, e digo que este será o melhor dia de pesca  que vou ter na vida, apesar de saber que na próxima vez voltarei a dizer o mesmo… E, já no mar, estou feliz sentindo umapaz única.

Ás vezes sinto que nasci na época errada, onde o triunfo do homem é medido em plásticos de cartão de crédito, onde o frio é regulado com um termostato e o calor do verão não existe, porque há aparelhos de ar condicionado. Nasci numa época de traições e lutas por uma conta bancária, por status, onde tudo se compra e tudo se vende.

Mas quando pesco, meu amor, afasto-me deste mundo horrível e venenoso. Afasto-me do conforto, do luxo e da televisão que nos idiotiza. Posso aceitar as regras do jogo, sou suficientemente civilizado para conviver neste mundo de loucos, mas deixa-me sair disto de vez em quando.

Amo as minhas canas, os meus carretos,  as minhas amostras e todo o meu material de pesca , porque são aquilo que me leva a este grande jogo, que é a pesca -  peço-te que não os vejas como um instrumento de morte, porque eles são um instrumento de vida. Não há forma de me sentir mais vivo do que quando os empunho diante do mar.

E verás que quando não o puder fazer mais, estarei por aí sentado ao sol, onde me ponham as mãos carinhosas dos nossos filhos ou as tuas, e um sorriso distante estará desenhado nos meus lábios secos. Não penses que a velhice é inevitável, pensa antes que estarei a lembrar-me de alguma pescaria e, se me vires triste e sozinho, entediado na minha cadeira, coloca a minha velha e gasta cana de pesca nas minhas mãos. Ao tocar nela, vou ser transportado no tempo… verás então que as minhas mãos apertarão esta velha companheira, tentando recuperar aqueles momentos que já se foram.

Meu amor, se hoje ou amanhã for à pesca para poder apreciar esses momentos e, assim, estar feliz., se acontecer alguma coisa enquanto estou no mar, que ninguém chore.

Que ninguém fique triste porque de certeza que eu estava a sorrir.

domingo, 3 de janeiro de 2021

AS CORVINAS NO RIO TEJO

AS CORVINAS NO RIO TEJO

             A corvina é uma espécie de peixe ósseo que pode atingir tamanhos superiores a 2 metros e mais de 100 kgs de peso



Clique me qualquer das imagens para ver mais



terça-feira, 10 de novembro de 2020

Siluro - o demónio no Rio Tejo

«DE DIA PARA DIA, DE ANO PARA ANO, O NOSSO PEIXE NATIVO ESTÁ A ACABAR. DAQUI A 4 OU 5 ANOS ACABA MESMO. OS SILUROS COMEM TUDO, NÃO DÃO HIPÓTESE»

É o terceiro maior peixe do rio do mundo, pode atingir 2,80 metros e pesar cerca de 120 Kgs. O siluro invadiu o rio Tejo e está a reproduzir-se e a dominar ‘como um leão’ a fauna deste rio. E não só piscícola, pois há relatos de caçar patos e pombos nas margens. Só na barragem de Belver estima-se que possam já existir 10 mil siluros e, sem predadores, muitos peixes nativos que lhes servem de refeição estão em risco de desaparecer. Os pescadores já estão a sentir esta redução nas suas redes e temem que em poucos anos o Tejo fique sem peixe nativo… e eles sem modo de vida. O ICNF diz que será elaborado um plano de ação a nível nacional.


Vídeo: Marcação de Siluros na Barragem de Belver  -   Créditos: H. Henriques/Alamal River Club  

Também chamado de peixe-gato europeu, o siluro (Silurus glanis) é um peixe voraz e um predador de topo que não encontra rival e facilmente domina o ambiente onde entra. É o terceiro maior peixe de rio do mundo e pode atingir 2,80 metros e pesar cerca de 120 Kgs. Nativo da Europa Central e Oriental, o siluro foi introduzido na Península Ibérica na década de 1970, na barragem do Riba-Roja, no rio Ebro, em Espanha. Os especialistas acreditam que a partir daqui terá dispersado ou sido introduzido no Tejo por pescadores desportivos uma vez que é um troféu aliciante para esta comunidade. Ao Baixo Tejo terá chegado por volta de 2006.

Desde então tem vindo a reproduzir-se para números preocupantes. «Quando começamos a estudar a espécie em 2016, numa campanha de campo, apanhávamos aproximadamente 10 peixes durante uma semana. Actualmente, em três dias, apanhamos entre 20 e 30 siluros. Hoje em dia é comum os pescadores profissionais reportarem capturas de 30 a 50 siluros por dia. Em França, num rio mais frio e não tão produtivo como o Tejo, colegas da Universidade de Toulouse que trabalham com o siluro estimaram que em cada metro de rio existia um siluro adulto, com mais de um metro.

Os gémeos Dino e Dario Ferrari, de  Casalmoro (Mantova) entraram no Guiness 
com esta captura (spinning) de um siluro com 2,67m e 127 kgs

O perigo está literalmente à espreita. «O rio Tejo tem uma fauna única em Portugal, isto porque uma boa parte dos peixes nativos são endémicos de Portugal e Espanha, isto é, em todo o mundo só existem na Península Ibérica. E duas dessas espécies são endémicos do Tejo - só existem no Tejo e em mais lado nenhum do mundo - são elas a Lampreia-do Nabão e a Boga-de-boca-arqueada de Lisboa, esta última existe no troço principal. O rio Tejo tem ainda um conjunto de vários peixes migradores importantíssimos para nós, como a lampreia-marinha, a enguia-europeia, o sável, a fataça, todos eles são um recurso económico importantíssimo para as várias dezenas de pescadores que vivem nesta região. Também estes peixes migradores fazem parte da cultura do Ribatejo, dos pescadores Avieiros desta zona, fazem parte da identidade desta região. Ora o siluro é um predador de topo, é como ter um leão dentro de água, ninguém o preda e irá atingir enormes densidades alimentando-se destes peixes nativos» destaca Filipe Ribeiro, Doutorado em Biologia da Conservação e que  trabalha com peixes dos rios de Portugal desde 1998


terça-feira, 3 de novembro de 2020

Acidente grave com cana de carbono

ACIDENTE GRAVE COM CANA DE CARBONO 

Todos os pescadores sabem que quando o tempo está de trovoada não se utilizam canas de carbono, pois o risco de atrair um raio é muito elevado. 
Mas há sempre quem arrisque porque acha que nada vai acontecer - são fenómenos muito raros e que só acontecem aos outros. Mas não é assim...

CLIQUE NA IMAGEM SFF



segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Náutica - o significado das bandeiras

 Código / significado das bandeiras utilizadas na navegação náutica

SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS

Clique na imagem sff




domingo, 25 de outubro de 2020

Descompressão - como salvar o peixe

Como todos sabemos, principalmente aqueles que praticam a pesca embarcada, há peixes que chegam à superfície com parte do estômago fora da boca e do intestino fora do ânus, devido à subida rápida à superfície sem tempo para fazerem a necessária adaptação (descompressão), o que faz com a bexiga natatória, que está preparada para a profundidade onde o peixe se encontra, mantenha a sua pressão interna quando, à superfície a pressão externa é muito menor.

Nestes casos, mesmo que devolvamos o peixe à água este é incapaz de mergulhar, mantendo-se à superfície onde, após várias tentativas sem sucesso para voltar ao fundo, acaba por morrer.

Podemos salvar os peixes nestas condições, de forma fácil e rápida, procedendo da seguinte forma:

CLIQUE NA IMAGEM SFF




domingo, 11 de outubro de 2020

A irresponsabilidade dá mau resultado !

Um passeio na praia com uma carrinha todo o terreno pode dar mau resultado !

Aconteceu na praia do Bilene, em Moçambique.

                         

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

As propriedades da água do mar




As propriedades medicinais da água do mar

Apesar de 70% do planeta Terra ser coberto por água, apenas 3% dela é água doce.

Quando entramos no mar sentimos um relaxamento imediato do corpo, mas , para além do alívio da ansiedade, a água do mar tem propriedades medicinais.

1- Limpa o intestino grosso
Estudos comprovam que a ingestão da água do mar promove uma limpeza do intestino grosso, desintoxica o organismo e renova as energias, especialmente em crianças.

2- É um antibiótico natural
Por ser rica em zinco, iodo, potássio e oligoelementos, a água do mar é uma excelente aliada para a cura de doenças de pele e para a cicatrização de lesões devido ao seu efeito antiséptico e antibiótico.

3- Alivia problemas respiratórios
Para quem sofre de asma ou outros problemas respiratórios é indicada a água salgada,  pois favorece a eliminação de toxinas e outros elementos prejudicionais aos pulmões, aliviando também a tosse.

4- Diminui as dores de artrite e artrose
Alivia os problemas reumáticos, diminuindo de forma significativa as dores causadas pela doença.

5- Acalma e elimina a ansiedade
Por conter magnésio, a água do mar é um importante calmante e alivia consideravelmente a ansiedade.

6- Trata problemas do fígado e dos rins
A água do mar é ideal para tratar doenças do fígado e rins pois acelera o processo de regeneração das células danificadas por várias doenças., ajudando também a eliminar o excesso de gordura e de água acumulados no abdómen.

7- Trata doenças de pele
Nas doenças de pele como a psoríase e também a caspa causa um diminuição das comichões e ajuda a descamar a pele morta,

8- Reduz a insónia
Um dia na praia ajuda a combater as insónias, proporcionando uma noite com um sono descansado e relaxante.


A água do mar é uma solução composta por água e sais, numa proporção de 96,5% de água e 3,5% de sais. Estes sais são compostos por uma grande variedade de elementos e compostos químicos, como o cloro, sódio, magnésio, enxofre, cálcio, potássio, bromo, estrôncio, boro e flúor,

Além destes elementos que estão em maior proporção, existem outros dissolvidos em pequenas quantidades, de difícil identificação numa análise química básica. - os chamados oligoelementos.

Dependendo da sua concentração, os oligoelementos são divididos em dois grupos; os de concentração constante, como o ferro, manganês, cobre, sílica, iodo e fósforo e aqueles de concentrações variadas, encontrados em quantidades infinitesimais, como o cádmio, titânio, cromo, tálio, germânio e antimônio.