Pescar é enfrentar saudáveis desafios, é fazer amizades, é conhecer novos lugares e abrir novos horizontes. É conviver com a natureza. É ser companheiro.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

O PEIXE-PAPAGAIO - o produtor de areia


PEIXE-PAPAGAIO 

Parrotfish

Família Scaridae
(existem cerca de 90 espécies desta família)


É verdade que este peixe pode ser comido. É também verdade que a sua beleza faz dele uma espécie apetecível para aquários.
No entanto existem razões muito importantes para não capturarmos este simpático peixe. Por favor, poupe-os, pois os oceanos precisam dele para se regenerarem.  
Os peixes-papagaio passam quase todo o dia a comer algas e corais mortos, limpando os recifes, o que assume especial importância uma vez que a maioria dos recifes tropicais está a ser sufocada por algas - e já não há peixes-papagaio suficientes para a sua limpeza. 
Vive em águas tropicais em todo o mundo. Depois de triturarem e engolir em pedaços de coral, extraiem deles partículas de comida e expelem o restante sob a forma de areia. Nesse processo, o peixe-papagaio usa suas poderosas mandíbulas em forma de bico e seus fortes dentes traseiros. 
Algumas espécies chegam a viver até 20 anos, sem desgastar os dentes, produzindo cada peixe uma média de 250 kgs anuais de areia,
Estudos concluíram que os recifes mais saudáveis são aqueles onde vive um maior número de peixes-papagaio, números que vêm descendo desde a década de 80.
A sua incansável actividade diária faz com que o peixe-papagaio durma durante a noite abrigado em buracos dos recifes, protegendo-se assim dos predadores nocturnos. 
Tanto os machos como as fêmeas apresentam variadas cores vivas, que vão mudando até a fase adulta. Não são agressivos, limpam os recifes, produzem areia e brindam-nos com cores incríveis !!!
O seu comprimento varia entre os  40 e os 80 centímetros.


terça-feira, 1 de outubro de 2019

Cobras pescadoras

Répteis vertebrados, parentes dos lagartos, mas sem membros locomotores, estão divididas em mais de 3.000 espécies espalhadas pelo mundo inteiro, excepto nos Pólos Norte e Sul, sendo algumas marinhas.

Crescem durante toda a vida, não têm orelhas nem pálpebras e são completamente surdas , sentindo as presas ou quaisquer perigos através da vibração do solo. Em cativeiro a sua vida pode prolongar-se até aos 30 anos, mas na natureza vivem menos tempo.

Alimentam-se basicamente de mamíferos, outros répteis,  ratos, pássaros, sapos, peixes, insectos e ovos, mas não desdenham outras oportunidades que possam surgir.




terça-feira, 25 de junho de 2019

Surfcasting com mar batido !


segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Corvinas no Rio Tejo

 
As corvinas no Tejo - clique aqui sff

 
Presente em toda a costa portuguesa, com maior incidência na zona centro e sul da costa atlântica e em toda a costa mediterrânica (na zona Norte é capturada comercialmente durante o Inverno, em águas mais profundas), a corvina é uma espécie de peixe ósseo que pode atingir tamanhos superiores a 2 metros e mais de 100 kgs de peso.
 
Continuar a ler o artigo ...

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

As Capitanias Portuguesas

 Clique aqui sff para ler o artigo completo
Os Departamentos Marítimos em Portugal são uma divisão administrativa marítima do litoral. Integram a estrutura desconcentrada da Direção Geral da Autoridade Marítima (DGAM), o órgão de gestão da Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Os Departamentos Marítimos são subdividos em Capitanias dos Portos. Das capitanias dependem, por sua vez, as Delegações Marítimas, caso existam. As Capitanias dos Portos são os órgãos com mais contacto com a população, funcionando como conservatórias de registo patrimonial marítimo.

clique na imagem sff

segunda-feira, 30 de julho de 2018