Pescar é enfrentar saudáveis desafios, é fazer amizades, é conhecer novos lugares e abrir novos horizontes. É conviver com a natureza. É ser companheiro.

domingo, 26 de dezembro de 2010

O novo Katembe I

O semi-rígido Katembe foi substituído por uma nova embarcação, o Katembe I.
Clique na imagem para mais pormenores.


quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Pescaria de Natal - Katembe

A malta do Norte do Fórum Katembe organizou uma pescaria de Natal, na Póvoa do Varzim / Vila do Conde, aqui documentada pelo António Costa, autor das fotos e do vídeo. Isto é gente 5 estrelas !!! Obrigado.

Conhecer o sargo !

Ao longo da nossa vida de pescadores, vamos criando um nível de exigência diferente, à medida que vamos aprendendo e melhorando, seja através dos outros, ou até de nós próprios, através das experiências pessoais. Se quando comecei a pescar em miúdo, até me contentava com um bodião e fazia uma festa quando apanhava um boga, quando finalmente descobri as simpáticas safias comecei a dedicar-me a elas. Ao longo dos anos, as perfomances foram melhorando, até que apanhar safias se tornou muito fácil, e, por isso, pouco aliciante. Os grandes sargos de que ouvia falar e cheguei a ver apanhar continuavam a não aparecer... porquê? Bem, por vezes apareciam... mas para cada 5 safias, aparecia um sargo, e muito raramente com tamanhos acima da barreira psicológica do meio quilo. Pois bem, este Verão decidi tirar isso a limpo. Apanhar 20 ou 30 safias a rondar as 250 gsr já me dizia pouco. E assim, no passado Verão fiz boas pescarias de Sargos, dias em os sargos foram bem mais que as safias, algo que antes era impensável…e sargos a rondar o quilo começaram a aparecer... como? O que mudei na minha forma de pescar? Qual o segredo para passar de uma caldeirada de safias para um boa teca de sargos com algumas safias à mistura?

Em primeiro lugar, compreendi finalmente como o sargo se comporta... os seu locais preferidos. Anteriormente limitava-me muito a poças fundas, muitas vezes ricas em safias. Os sargos também lá vão, mas nesses locais as safias estão sempre em muito maior quantidade; ao contrário da safia, o sargo não é esquisito em relação à profundidade - apanhei sargos grandes em locais com meio metro de água, locais que ficavam praticamente a seco quando a onda recuava, e enchiam depois novamente. Ou seja, o sargo aproveita a força da enchente para arrancar o marisco (mexilhões, perceves, etc) e vão depois no recuo das águas. Vi apanhar peixe numa poça assim! Lajes de pedra compridas que só ficam submersas na maré cheia, os sargos adoram se lá tiverem comida. Vi rochas deste tipo completamente roídas pelos sargos! Como se vê, muitas vezes os sargos aparecem nos locais mais inesperados - um pequeno buraco é a melhor aposta, mesmo que ao lado esteja um fundão com mais de 3 metros! As escolhas fazem toda a diferença, eles podem estar mesmo ali e nem darmos por eles...

Em segundo lugar, o isco. O camarão, é um bom isco e bastante versátil. Capaz de chamar bons sargos, sem dúvida, mas o que é certo é que quando comecei a apanhar mexilhão e usá-lo como isco, o nível de capturas de qualidade aumentou de forma notória! Mexilhão, carangueijo são os iscos mais naturais que se pode dar ao sargo. A tiagem também dá muito bons resultados, e a sardinha é muito boa para se apanharem sargos grandes, mas só quando estão a pegar nela, pois há períodos em que nem lhe tocam!
Tenho a impressão de que os sargos mais pequenos gostam mais do camarão!

Tiagem: numa praia da zona de Aljezur, uma zona rochosa com muita alga verde e gretas com alguma areia, suficiente para haver ali muita tiagem, pesquei por lá durante 3/4 dias seguidos, na enchente, pois os sargos ali se juntavam... e só pegavam na tiagem. Aqueles que capturámos tinham a barriga verde das algas que engoliam para abocanharem a tiagem fixa às mesmas.

Já a bicha da pedra, é um isco extraordinário para safias - ficam completamente malucas.

Relativamente ao estado do mar, nunca notei haver um padrão bem definido, pois já capturei sargos e também já gradei com diversos tipos de mar.

Sei que não pode estar muito manso (inferior a 1m). Se estiver muito mexido (a partir de 3/4 m), as melhores opções, na minha opinião, são os recantos mais protegidos, onde a corrente provocada pelas levadias seja menos forte. Sem ter ainda qualquer explicação para o facto, nunca me dei muito bem em dias de nortada, normalmente pródigos em picadas de peixe miúdo e pouco mais...

Está mais que provado que não são necessários lançamentos de 100m para se capturarem bons Sargos. Gostam de se alimentar junto às rochas, refugiando-se em pequenos buracos, muitas vezes tão pequenos que ninguém imaginaria estar ali um sargo, como também gostam dum fundo rochoso, entre a praia e um banco de areia.

A minha técnica? A chumbadinha, que considero muito eficaz, pois permite explorar os tais buracos pequenos que podem esconder uma boa surpresa!


Jorge Ponte

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Novo Top de Sites de Pesca

O Katembe lançou um novo site "KATEMBE TOP FISHING SITES", para divulgação de páginas ligadas à pesca lúdica e desportiva, lojas de material de pesca, de barcos e motores, saídas de pesca, etc.
Se tiver um site ou blogue inscreva-o.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

WD 40 - um produto milagroso?

WD 40Water Displacement 40th attempt (Repelente de água 40ª tentativa)

Criado em 1953 por Norman Lansen, técnico da Rocket Chemical Company em San Diego , o objectivo do projecto era descobrir uma substância que repelisse a água (Water displacement) para ser usado na indústria aeronáutica, como anti-corrosivo e na manutenção de circuitos eléctricos. Inicialmente apenas utilizado na fuselagem de aeronaves e na manutenção de mísseis da NASA, hoje são conhecidas milhares de aplicações do WD 40.


UTILIZAÇÃO EM PESCA E NÁUTICA
- Para manter sempre imunes aos efeitos do salitre: carretos, anzóis, alicates, iscas artificiais e arpões, depois de lavados com água limpa;
- Para desembaraçar linhas de nylon;
- Para proteger da humidade e corrosão: dobradiças, cabos, fechaduras, cadeados, e todas as peças metálicas em equipamentos náuticos;
- Evita que a linha de pesca se embarace no carreto;
- Atrai os peixes: aplicado nas iscas vivas ou artificiais funciona como um chamariz infalível;
- Para eliminar a humidade em antenas, âncoras, painéis, caixas de fusíveis, peças de inox, bornes de baterias e roldanas;
- Para assegurar a boa conservação de guinchos, macacos e motores náuticos com uma rápida aplicação;
- Para fazer "pegar" imediatamente motores fora de bordo molhados;
- Lubrifica engrenagens de bombas de água;
- É um óptimo repelente de moscas e outros insectos;
*
- Aplicado nas mãos, braços e joelhos, alivia as dores da artrite;*

- Acalma a dor e diminui o risco de cicatrizes nas queimaduras;*

* ATENÇÂO:
O fabricante do WD40 informa que não recomenda o uso de WD-40 para fins médicos, e não conhece a razão pela qual a WD-40 seria eficaz para o alívio da dor da artrite . WD-40 contém destilados de petróleo e deve ser tratado com as mesmas precauções para qualquer produto que contenha este tipo de material.


- Remove a água dos equipamentos eléctricos;
A composição química do WD-40 não ataca a madeira nem a borracha, podendo ser aplicado em qualquer tipo de material.


O WD-40 não deve ser usado para a lubrificação de correntes de bicicletas e motos pois não é gorduroso nem tem propriedades lubrificantes - apenas deve ser utilizado na sua limpeza. Depois de limpos todos os resíduos do WD-40 deverá utilizar um lubrificante adequado.

O WD-40 é , a par da Coca-Cola e McDonald's, uma das três marcas americanas mais conhecidas e presentes no mundo, é fabricado em apenas 3 países (USA, Inglaterra e Brasil) e a sua fórmula é absolutamente secreta e conhecida apenas por 3 pessoas, sendo que cada uma delas tem apenas uma parte da mesma. Veja aqui a lista para 2.000 utilizações do WD-40.



Este texto têm carácter meramente informativo. O KATEMBE não é responsável por quaisquer consequências ou eventuais efeitos adversos que da utilização do produto descrito que possam advir.

domingo, 14 de novembro de 2010

Consultório Katembe

Coloque a sua dúvida ou questão sobre pesca em água salgada enviando uma mensagem para KATEMBE. A resposta será aqui colocada, num prazo de 3 a 8 dias. O seu endereço de email não será publicado.

Por favor tenha o cuidado de ver se a questão não foi anteriormente respondida ou se não foi já abordada no site. Nos casos de perguntas/questões duplicadas, só a primeira obterá resposta.

sábado, 16 de outubro de 2010

Nocturna no Tejo

Quinta feira fomos até ao Tejo passar um bocado à bóia, a ver se os robalos por lá andavam, o que não se confirmou. Uma boa equipa e um bocado bem passado, foi o que se conseguiu.

Uma baila

A equipa

Bruno

Fernando

Rui e Victor

terça-feira, 12 de outubro de 2010

O mar no passado fim de semana...

Por aqui a "Paula" deixou um pouco de tudo. Trovoada, muita chuva, períodos de grande intensidade do vento... e uma grande ondulação, como podem testemunhar.









Texto e fotos: Jorge Ponte

sábado, 9 de outubro de 2010

Bons pesqueiros na Foz do Tejo

Para quem pesca de barco, aqui ficam as coordenadas de alguns bons pesqueiros na Foz do Tejo .

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Mau tempo para este fim de semana II

O "monstro" já está formado, e de que maneira. Parece que o vão chamar de PAULA, e parece que esta menina vai entrar na história como uma das maiores ciclogéneses explosivas da história do Atlântico Norte, com um cavamento de mais de 50 hPa em 24 horas! Linda menina, mas ao que parece, bem maluca! Apreciem a sua beleza hostil:

Felizmente, vai chegar a terra já muito mais velhinha e calma... mas a tempo de dizer "Olá" antes de morrer.

Jorge Ponte

A última pescaria no semi-rígido Katembe

O nosso semi-rígido, o Katembe, vai mudar de proprietário e será substituído por uma nova embarcação. A despedida foi num destes dias, no Rio Tejo, com as choupas e safias habituais e bons momentos passados.

Atenção ao mar neste fim de semana

Não sei se o pessoal já reparou, mas o que é certo é que o nosso amigo GFS, assim como TODOS os outros modelos, estão a cozinhar uma ciclogénese explosiva no Atlântico:

Mete medo, não é? Felizmente, a depressão vai desvanecer-se até chegar a nós, deixando "apenas" chuva forte e algum vento, atmosfericamente falando. Porém, oceanicamente falando, esta senhora depressão vai-nos deixar uma ondulação de meter respeito para o fim de semana (6/7m). Ora, como um pescador atento deve saber, há lua nova na 5a-feira, e as marés de sábado são ainda de grande amplitude. Não quero parecer alarmista, claro que pode dar o caso de não vir a haver problemas, mas acho que mais vale prevenir que remediar, e assim acho que as pessoas deviam ser avisadas. Bares junto ás praias, zonas costeiras mais vulneráveis... se conhecerem alguém que possa vir a ser afectado, devem avisar.

Jorge Ponte

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Peixe com "dentes humanos" morde pescador


Um pescador norte-americano apanhou um peixe que o mordeu com o que ele descreveu como «dentes humanos».
Frank Yarborough estava a pescar no Lago Wylie, na Carolina do Sul, quando apanhou um peixe que pesava 2,3 quilos e media meio metro. Pensando tratar-se de um peixe-gato, Frank meteu a mão na água para o apanhar mas foi mordido pelos peculiares dentes do animal.

Robert Stroud, um biólogo do Departamento de Recursos Naturais da Carolina do Sul, afirmou que o animal deve ser um Pacu, um peixe natural do Amazonas e que é bastante comum nas lojas especializadas em peixes exóticos, que alguém terá a atirado para o lago por se ter tornado grande demais para um aquário.

Fonte: Diário Digital

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Exemplar de relevo do grande Cabé

A descrição feita na 1ª pessoa
Tempo bom, água ainda melhor, e Povo muito melhor!!! João Magalhães, Costa, Ricardo Martinho, Rui Sá e eu. Certinhos e direitinhos, lá estávamos às 6 da matina para as prometidas vassouradas, só que os nossos amigos Labrax teimaram mais uma vez em não aparecer...... pelo menos para os meus companheiros, porque eu, não satisfeito, fui premiado com um lindo peixe. Quero agradecer a estes compinchas, que são verdadeiros amantes do Mar!




O material utilizado

Texto e fotos: Cabé

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Carlos Pernes

É com grande tristeza que colocamos este post.
Faleceu hoje o nosso amigo e companheiro de muitas pescarias Carlos Pernes.
Descansa em paz, amigo.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Os pargos do Seabra


O amigo Seabra estreou-se a bordo do Danídeo, em Vila Nova de Milfontes, e da melhor maneira, com alguns pargos, para além das espécies mais habituais, como as choupas e safias. Foi um dia em que apareceram também muitas cavalas grandes, algumas a chegarem perto de 1 kg. Embarcaram, para além do Seabra, o Jomar e o Xico, que também fizeram o "gosto à cana" com vários pargos e bicas. Mas fotos só mesmo do Seabra.


O Danidio

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Como acabam as safias....

As safias apanhadas a bordo do Katembe normalmente acabam assim....


segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Pelo Estuário do Tejo num fim de semana...

Fim de semana calmo no Tejo a bordo do Katembe.


Katembe

O Viking (Cascais)

O Pestinha (Trafaria)


Outra vez te revejo
Lisboa e Tejo e tudo,
Transeunte inútil de ti e de mim,
Estrangeiro aqui como em toda a parte,
Casual na vida como na alma,
Fantasma a errar em salas de recordações...

Álvaro de Campos

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Pescaria no Danidio

Em Vila Nova de Milfontes, fizemos neste domingo a primeira saída no novo barco do Jomar, o Danidio. Pescadores: Jomar, Agostinho e LM. Bom tempo, com vento Norte e mar calmo, lá foram saindo choupas, safias e carapaus, com alguns parguetes e bicas nos intervalos.

O Danidio, uma embarcação da marca Sessa, modelo Fishing Line, com um motor Mariner de 115 cavalos, portou-se à altura, prometendo boas pescarias.



Jomar

LM

Agostinho

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

No Tejo com muito calor...

O Katembe no Tejo, com muito calor.
Choupas, safias e chicharros....e teste dos salva-vidas :-)

Choupa (Ricky)

Chicharro (LM)

Comandos do Katembe

o "teste"