Pescar é enfrentar saudáveis desafios, é fazer amizades, é conhecer novos lugares e abrir novos horizontes. É conviver com a natureza. É ser companheiro.

domingo, 5 de julho de 2015

Saber a idade de um peixe

Para verificar a idade de um peixe retira-se uma escama de preferência por baixo da barbatana peitoral. Retirar três ou quatro escamas para obter resultados mais exactos.

Lavar a escama com água corrente, mergulhar as escamas numa mistura constituída por água e vinagre de cozinha em partes iguais durante cerca de 12 horas.

Após as 12 horas, passar por água corrente e enxugar com um pano seco ou papel absorvente deixando secar completamente durante algum tempo até ficar com uma coloração esbranquiçada.

Observando as escamas, consegue visualizar-se vários anéis concêntricos a partir do centro da escama. Se à vista desarmada não forem visíveis os anéis, pode utilizar-se uma lupa ou outro instrumento óptico de ampliação (lente, microscópio, etc).


Cada espaço com uma zona mais esbranquiçada e opaca e outra maior e mais transparente, constitui um ano de idade. A área mais clara e pequena corresponde ao período de Inverno em que o crescimento é menor, devido à menor actividade desenvolvida. Os espaços maiores correspondem aos períodos de Verão, com o consequente aumento de actividade e correspondente aumento de crescimento.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

O encaixe das canas


O  encaixe / união das canas

Quando montar uma cana de encaixes, nunca meta uma das secções completamente na outra, ocultando o espigão por inteiro - contrariamente ao que possa pensar, não fará com que a cana fique mais resistente e vai prejudicar a sua acção, para além de a tornar mais frágil.

As canas estão preparadas para funcionar com um pouco do espigão à mostra, facilitando a sua montagem e desmontagem e aumentando a sua flexibilidade.

A forma correcta de montagem de uma cana de encaixe é apertá-la dando quartos de volta até que a secção fique bem presa e com os passadores alinhados com os da anterior - deve ficar encaixada de forma que não seja necessária muita força para soltar a secção, e ter parte do espigão visível. Evite o mais possível a entrada de areia ou outros resíduos.

Para facilitar todo o processo pode ser usado um spray de silicone nos espigões, ou uma cera adequada.

domingo, 31 de maio de 2015

terça-feira, 28 de abril de 2015

A urgência de acabar com a sobrepesca

Um trabalho que é um alerta para a humanidade
Por que é urgente para deter a sobrepesca por BirdLife Europe 

quarta-feira, 1 de abril de 2015

O tubarão gigante de Sesimbra era treta...

Pois, a história do tubarão gigante de Sesimbra foi uma partida do 1º de Abril, o dia das mentiras, também conhecido por dia das pêtas, dia dos tolos ou dia dos bobos.

O dia 1 de Abril ou o Dia das Mentiras é uma tradição secular e universal, com origem provável no ano de 1564, em França.




O TUBARÃO ERA PÊTA !!!

Tubarão gigante capturado hoje em Sesimbra

Tubarão gigante capturado hoje em Sesimbra


Dois pescadores desportivos residentes na zona da Quinta do Conde, capturaram hoje, a bordo da pequena embarcação de cerca de 5 metros que costumam utilizar para a prática de pesca lúdica, a cerca de 4 milhas do porto de Sesimbra, um tubarão branco gigante, com cerca de 600 kgs e 7 metros de comprimento.

O tubarão atacou uma das canas quando João P., um dos pescadores, acabara de ferrar uma corvina grande que foi de imediato atacada pelo predador, que durante mais de 5 horas, lutou com o monstro.



Francisco S., o seu companheiro, perdeu um dos dedos da mão direita numa das fases em que ajudava o amigo, e os conhecimentos de enfermagem do próprio foram importantes na feitura de um garrote, já que o dedo foi completamente decepado pela linha, quando esta se enrolou acidentalmente na sua mão.

Através do telemóvel foram avisados os bombeiros de Sesimbra, que fizeram deslocar ao porto uma ambulância que aguardou a chegada da embarcação e transportou os dois pescadores para o Hospital Garcia de Horta em Almada, pois também João P. apresentava alguns ferimentos sem gravidade. 

Centenas de pessoas deslocaram-se ao porto para ver e fotografar o tubarão que veio a reboque do barco, já morto e foi entregue a técnicos do Aquário Vasco da Gama, para estudo, eventual embalsamento e posterior exposição.


domingo, 29 de março de 2015

O Pescador que nunca pescava nada

O Pescador que nunca pescava nada
Raffaello Bergonse - texto e ilustrações
(história adaptada)


Alguma vez ouviram falar naquele pescador que nunca pescava nada? Podem encontrá-lo todos os dias, lá ao fundo do pontão. É aquele velhote de rosto enrugado, sentado num banquinho, com uma cana muito comprida e fininha nas mãos, e um balde ao lado. Reparem como ele mal se mexe, com os olhos perdidos na água. Reparem também que há sempre um sorriso muito leve nos cantinhos da sua boca. 

Passou-se uma coisa com ele que gostava de vos contar. Há muitos, muitos anos, era ele ainda um jovem, a coisa de que mais gostava na vida era ir à pesca. Pescava nos rios e no mar, pescava em riachos e ribeiros, albufeiras, lagos e barragens, pontões e praias. Pescava das rochas, em águas de fundos de areia e de pedra, límpidas ou turvas. Não interessava se chovia ou fazia sol. Sempre que podia, lá estava ele com a sua cana. Com um gesto rápido, atirava a linha para a água, e ficava à espera que algum peixe abocanhasse o isco, com os olhinhos fixos naquela bóia colorida, que andava para cima e para baixo com as ondas. Só havia um problema: é que nunca apanhava nada. O material, tinha-o todo. Canas e carretos, linhas, bóias, chumbadas, anzóis e um balde. Tinha galochas e um cesto para o peixe, um chapéu para a cabeça e um banquinho para se sentar (o banquinho ainda é o mesmo). Mas o resultado era sempre igual. Nem um peixe mordia o isco. 


Na verdade, nessa altura, houve uma vez, uma só vez, em que apanhou qualquer coisa. Foi neste mesmo pontão, numa tarde de sol. De repente a bóia desapareceu, e quando ele começou a puxar a linha, havia qualquer coisa a remexer-se debaixo de água! “Um peixe!”, pensava ele, de pé, a recolher a linha, com o coração aos saltos, à medida que os segundos passavam. Da água saiu então um pequeno peixinho prateado, retorcendo-se. O pescador olhou para ele de perto. Era um peixinho jovem. Era pequeno de mais. Segurando-o cuidadosamente para não o magoar, devolveu-o à água. Passaram-se semanas, meses, e nunca mais apanhou nada. Às vezes a linha voltava com o isco no anzol. Outras vezes o isco desaparecia, e só voltava o anzol brilhante a balançar com o vento. 


Quando chegava a casa, desanimado, a mulher dizia-lhe, trocista: “Lá foste tu dar de comer aos peixes outra vez. Se juntasses todo o dinheiro que já gastaste em isco para nada, íamos os dois comer caldeirada a um restaurante durante uma semana!” Ele não ligava. Ela não compreendia o que ele sentia quando estava ao pé da água, quando olhava com muita atenção para aquela boiazinha que podia desaparecer a qualquer momento. Ela não compreendia a sensação de estar sozinho em frente àquele mar sem fim, que às vezes era azul e transparente, e às vezes sombrio e cheio de segredos, debaixo de um céu de chuva e gaivotas. A mulher não compreendia aquela sensação de mistério que o pescador sentia quando ficava quieto a olhar para a água, fosse num rio ou no mar, sabendo que a qualquer momento, e podia ser já, algum animal daquelas profundezas misteriosas podia abocanhar o seu isco e dar um puxão na linha. 


Ah, como o seu coração saltaria quando isso acontecesse! Mas os peixes são uns bichos difíceis de compreender. Talvez o isco não fosse o melhor. Ou a linha fosse muito grossa, ou o anzol muito grande, ou a bóia muito pesada, ou talvez o peixe não tivesse fome. Podia ser que a maré estivesse muito cheia, ou muito vazia, ou o vento estivesse a soprar para o lado errado. O importante é que ele não desanimava nunca, e quase todos os dias lá ia, a seguir ao trabalho, ou antes do trabalho, conforme lhe dava mais jeito. 


Agora leiam com muita atenção, porque vocês não vão acreditar no que acabou por acontecer. Certa madrugada de Outono, lá se ouviram no ar as galochas de borracha do nosso amigo. Com passos decididos, como sempre, atravessou o pontão ate lá ao fundo. O mar ondulava ao de leve. Havia massas de nuvens à distância, anunciando alguma chuvada, lá onde a vista mal alcançava. O pescador colocou um belo camarão descascado no anzol. Sentiu o vento e o cheiro a maresia. Com um movimento rápido com a cana, fez a bóia saltar por cima da sua cabeça e ir aterrar na água, lá à frente. Lá ficou ela a saltitar para cima e para baixo com as ondas. Passaram-se alguns minutos. De repente, a pequena bóia desapareceu. Ele olhou com toda a atenção para a água. Mas lá apareceu outra vez. E desapareceu de novo! Sentiu um terrível puxão na linha, e outro. Alguma coisa tinha mordido o isco! O nosso amigo levantou-se, com as pernas a tremer e os olhos esbugalhados. Puxou e puxou a linha, e à medida que a linha era recolhida ele conseguia discernir alguma coisa grande e escura quase à superfície da água. Entretanto, outro pescador que andava ali perto vira tudo e já estava ao pé dele, entusiasmado, pronto a ajudá-lo a trazer para terra o que quer que fosse que aí vinha. Era um peixe, enorme e brilhante. Era um robalo. Com as guelras a abrir e a fechar, e uns olhos muito abertos que pareciam zangados, olhava para os dois homens enquanto se agitava no chão. Tinha um brilho esverdeado, e parecia feito de escamas de prata. Eles olhavam para ele, admirados com o seu tamanho e com a sua elegância. Era quase do tamanho do braço do pescador. Agora vou contar-vos um pequeno segredo: este peixe magnífico não era outro senão aquele peixito pequeno que ele apanhara há muitos meses. Desde então, havia viajado para outras paragens, e alimentara-se nos vastos oceanos. Conhecera profundezas que nunca nenhum homem viu. Depois, seguindo o seu instinto, voltara para se alimentar nas nossas costas, e aqui estava ele! Nessa noite houve festa lá em casa. 


O peixe deu para a família toda e, antes de ser cozinhado, o pescador não deixou de tirar uma fotografia da sua captura. A fotografia amareleceu com o passar dos anos, mas ainda lá continua, na parede da sala. A maioria das pessoas não acredita que o peixe era o mesmo que ele apanhara antes. “O peixe não crescia tão rápido”, talvez digam, ou “Quais são as possibilidades do mesmo peixe voltar àquele local passados tantos meses, e de ser apanhado pelo mesmo pescador? Essa história parece-me um grande disparate!” Têm razão. Não é muito provável. Mas eu sei que era o mesmo peixe. Sabem porquê? Quando meu pai apanhou o peixinho, eu estava lá. Era apenas um rapazinho, mas lembro-me como se fosse hoje. Olhei para aquele bichinho pequenino na sua mão, e nunca mais me esqueci daqueles olhos, da cor das sua guelras, do formato da sua cauda, das cores das escamas. Também estava presente quando ele o apanhou de novo. Mal olhei para aqueles olhos escuros uma vez mais, soube que era o mesmo bicho. Podem acreditar ou não, vocês é que sabem… 


Bem, depois daquele dia, parece que a sorte do meu pai mudou. Às vezes pesca alguma coisa, às vezes não. Ao longo destes anos todos já pescou milhares de peixes, de todas espécies que podem imaginar. Só nunca percebi como durante tanto tempo não apanhou nem um, para depois reencontrar o mesmo que pescara, já crescido. É um grande mistério, mas afinal o que é a vida senão uma série de mistérios? Agora, que já está reformado, o meu pai senta-se ali no pontão todos os dias com a sua cana. 


Eu segui-lhe as pisadas. Tenho um pequeno barco, e a coisa que mais gosto é de sair de manhã cedo, e ir para o mar. Aponho sargos, safios, robalos, salemas, abróteas, solhas, e muitos outros. E sempre que apanho um desses habitantes dos oceanos, sinto aquilo que animou e anima todos nós, pescadores, aquela alegria que não consigo descrever apenas com palavras. Quando não tenho sorte (o que acontece muitas vezes), lembro-me da história do meu pai, e da lição que aprendi com ele. Afinal, é assim na pesca, mas também em muitas outras coisas. Lá porque tudo não corre da melhor maneira logo desde o início, nunca devemos desistir. Se continuarmos a tentar, alguma coisa boa acaba sempre por acontecer. Aprendi com ele que o que é mesmo importante não é conseguir fazer tudo bem logo à primeira. É insistirmos em continuar a fazer aquilo de que realmente gostamos.


Raffaello Bergonse 
 
texto e ilustrações

quarta-feira, 25 de março de 2015

Iscar sardinha para lançamentos

Como iscar sardinha de forma a poder fazer lançamentos longos sem perder o isco.

quinta-feira, 12 de março de 2015

O nosso canal no YouTube

Subscreva o nosso canal no YouTube.
Obrigado.

Deslarga-me da mão

Jorge Nice é oriundo de um bairro de Algés e não esquece as suas origens humildes. Em Setúbal conquistou a simpatia de todos cantando para todos. Assume-se como um homem de paixões e acredita estar a passar por um ciclo de vida bastante positivo. Sente-se realizado com a vida e a profissão que escolheu. Para si o mundo é uma amálgama de injustiças e hipocrisia mas, apesar disso também lhe encontra beleza e bondade.

terça-feira, 3 de março de 2015

Pescaria em V. N. de Milfontes

Pescaria embarcada do Roberto Francisco, em Vila Nova de Milfontes.


Robalo



Congros


Robalo


Polvo

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015