Pescar é enfrentar saudáveis desafios, é fazer amizades, é conhecer novos lugares e abrir novos horizontes. É conviver com a natureza. É ser companheiro.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Como reconhecer o peixe fresco

Clique para ampliar sff



segunda-feira, 16 de julho de 2018

Tipos de pescadores



Há 3 tipos de pesca 

- Pesca de consumo (industrial ou artesanal) - praticada em água salgada ou doce, destina-se à captura de espécies para consumo;

- Pesca desportiva - pode ou não ser de competição e praticada tanto no mar como em águas interiores e exige conhecimentos aprofundados;

- Pesca lúdica - praticada pela maioria das pessoas nos seus tempos livres, férias, etc, não requer grandes conhecimentos;

Os 10 Tipos de pescadores

- Pescador profissional - o que faz da pesca o seu modo de vida;

- Pescador desportivo - o que pratica a pesca de competição;

- Pescador ecologista - aquele não suja o pesqueiro e que devolve à água todas as capturas, chegando a casa sempre de mãos a abanar, criando dúvidas à mulher (se realmente foi mesmo pescar);

- Pescador predador - é a besta assassina - mata e leva para casa tudo o que consegue capturar mas, mesmo assim, nunca está satisfeito;

- Pescador sortudo - normalmente são os iniciantes, que, com uma sorte do catano, capturam sempre o melhor exemplar;

- Pescador lateiro - leva a geleira carregada com todo o tipo de bebidas e comidas e passa mais tempo com a lata ou garrafa na mão do que em acção de pesca;

- Pescador familiar - leva a família - mulher, filhos, sogra e o cão;

- Pescador poupado - falta-lhe sempre material - pede ao pescador do lado anzóis, linhas, bóias ou chumbadas;

- Pescador cientista - mede tudo ao milímetro, faz-se acompanhar por tabelas, bússola, calculadora, sextante e telemóvel, e procura o lançamento perfeito;

- Pescador delicado - faz-lhe muita aflição mexer nas minhocas, no camarão, lula ou peixe, por isso leva sempre umas luvinhas de látex;


quinta-feira, 12 de julho de 2018

Se ainda não sabe...



Já todos sabemos que há pescadores que pescam mais e melhores exemplares que outros, e, por vezes, a diferença é enorme, embora estejam no mesmo barco , com o mesmo isco e com montagens semelhantes...

O ideal é tentar pensar como um peixe - são criaturas de hábitos! Eu diria que 80% do sucesso numa pescaria advém do material e respectiva montagem e do isco, 10% da "habilidade" e os restantes 10% da sorte.

Aqui vão umas dicas que poderão ajudá-lo a aumentar as suas capturas quando pescar de barco, caso ainda não as conheça.

Para começar siga sempre as indicações do mestre/skipper  da embarcação, pois é suposto este conhecer bem os locais para onde leva o barco e, claro, porque tem as ajudas electrónicas.

Os maiores e melhores exemplares, como o pargo,  raramente estão junto ao fundo - no fundo, junto à pedra,  estão os peixes mais pequenos que ali buscam refúgio para escapar fácil e rapidamente aos peixes maiores - estes, os maiores,  estão, normalmente, um pouco acima do fundo.

A profundidade da água não é a única coisa importante; também a topografia (ou forma) do fundo. Lembre-se que quanto mais profunda a água, mais fria ela se torna e, assim,  mais lento o peixe responde. Os predadores de superfície tendem a ser muito mais rápidos e activos que os de águas mais profundas.

Gaivotas ou outros pássaros marinhos são excelentes sinais de actividade num determinado ponto. Peixes vermelhos são sinal de fundo de pedra, o que é sempre indicação de actividade.

Os peixes tendem a alimentar-se com maior sofreguidão duas vezes ao dia: ao amanhecer e ao entardecer, pelo que estas são sempre as melhores ocasiões para a pesca.



quarta-feira, 20 de junho de 2018

Pesca de Sargos (José Vilar Varela)

quinta-feira, 10 de maio de 2018

O peixe que come gaivotas.

Mar das Seychelles - o peixe que come gaivotas - o xaréu gigante.


quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Licenças de pesca - preços 2018

PREÇOS DAS LICENÇAS PARA 2018

Água Salgada - Mar
(clique na imagem para aumentar)

Água Doce - Águas interiores
(clique na imagem para aumentar)

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Atenção apreciadores de sushi !!!

Se é apreciador de sushi tenha atenção a isto:



NEMATODES
Informação: Direcção de Agricultura e Pescas do Norte
clique na imagem sff para ler

domingo, 8 de outubro de 2017

Salvamento de pescador

Resgate | Arcão | Azenhas do Mar
Esquadra 751 - Pumas | Hoje e sempre, "Para que Outros Vivam"
Na salvaguarda da vida humana sacrificando a sua própria vida!
Resgate de pescador, que caiu ao mar em Azenhas do Mar (Sintra), 11:00 do dia 07 de Outubro 2017.











Vídeo:  FAP - Esquadra 751
Fotos:   Alex Coelho

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Lulas e chocos

Em dias claros e brilhantes e com águas limpas e claras os palhaços escolhidos devem ser de cores naturais, (castanhos, azuis ou verdes, laranja) e à noite e em dias fechados ou águas mais escuras devem ser utilizados palhaços de cor mais clara (amarelo, rosa, fluorescentes)
O tamanho dos palhaços é ao gosto de cada um, sendo o meio-termo (3 ou 3,5) o mais utilizado, já que se pescam exemplares grandes com palhaços pequenos e vice-versa.
Deve deixar-se a amostra razar o fundo com cuidado porque, como sabemos, tem tendência a prender e começar aí a trabalhá-la.

Convém ter sempre o xalavar à mão, pois os exemplares maiores costumam soltar-se ao sair da água.

domingo, 30 de abril de 2017

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Porque se chamam jaquinzinhos aos carapaus?


Já todos comemos carapaus pequeninos cozinhados das mais variadas maneiras. Os jaquinzinhos, nome pelo qual são conhecidos, são excelentes fritos, alimados (temperados com sal, azeite e limão) ou de muitas outras formas, preferencialmente acompanhados de arroz de tomate ou pimentos ou de açorda.
Mas, por que razão se dá o nome de jaquinzinhos aos carapaus pequeninos?
Segundo parece,  a origem do nome está em Sesimbra, terra de pescadores. Certo dia regressava um pescador da faina quando lhe perguntaram o que tinha pescado. Ele respondeu dizendo que tinha apanhado apenas uns pelinzinhos (nome dado, em Sesimbra, aos carapaus jovens) tão pequeninos como o Ti Jaquinzinho (artesão naval muito conhecido em Sesimbra, entre outras coisas, por ser muito pequenino).
Depois de ter ouvido esta história, a fadista Hermínia da Silva introduziu na ementa da sua casa de fados em Lisboa, a designação de Jaquinzinhos que, pouco a pouco, foi sendo adoptada por outros restaurantes de Lisboa e do resto do país.